Lucro do comércio deve ser o menor em 13 anos na Páscoa deste ano, diz Confederação Nacional do Comércio

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) projeta retração de 2,2% nas vendas do varejo voltadas para a Páscoa deste ano (eis a íntegra). Se confirmada a previsão da CNC, o valor financeiro movimentado nesta data comemorativa deve ficar em R$ 1,62 bilhão em 2021, menor valor desde 2008.

Fábio Bentes, economista da CNC, explica como é feita a metodologia da projeção. “A projeção se baseia no comportamento do varejo e nas condições de consumo nos últimos meses”.

Pandemia e medidas restritivas contribuem para cenário negativo

Fatores como a segunda onda da pandemia, um novo endurecimento das medidas restritivas em diversos Estados na semana que antecedeu a Semana Santa e a renda reduzida de setores da sociedade contribuem para esse cenário negativo.

O professor de economia da UniCEUB, Sérgio Silveira, acredita que empresas e negócios que se prepararam para a Páscoa por meio do comércio online deverão ter mais retorno nesse período. “Empresas que se prepararam, não devem ter um problema grave de venda”, afirma. Ele pondera, no entanto, que essas empresas tendem a ter problemas, caso seus consumidores estejam com problemas graves de perda de renda. Pontua também que “deve-se ter uma queda porque nem todos sabem usar a internet para fazer compras”.

Em 2021, houve queda de importações de alimentos que são típicos desta época, como chocolate e bacalhau, por exemplo. A desvalorização do real em 23% nos últimos 12 meses é um dos principais motivos dessa queda, pois fez com que os produtos ficassem mais caros.

Bentes diz que datas comemorativas são um termômetro do varejo. O setor tende a replicar a tendência do momento. “Se a expectativa  indica um desempenho fraco, o varejo tende a encomendar menos produtos da indústria, a contratar menos funcionários”, afirma.

De acordo com dados do IBGE e da CNC, a tendência é que os produtos de Páscoa tenham alta de  3,8% em 2021, com destaque para os chocolates, que devem ter acréscimo de 7%.

Outro ponto que explica a projeção de recuo das vendas de Páscoa do Varejo é o comprometimento de renda das famílias brasileiras. De acordo com relatório do Banco Central, 28,4% da renda dos brasileiros está comprometida com dívidas.

Bentes vê a possibilidade do aumento do comprometimento da renda com compras na Páscoa deste ano. Segundo ele, isso pode acontecer porque “ainda estamos em uma situação bem desfavorável no que se refere a mercado de trabalho”.

Poder 360ECO

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *