Carne de porco faz mal? Ledo engano!

Carne de porco é rica em nutrientes importantes (proteínas, vitaminas do complexo B e ferro) e pode ser muito benéfica quando preparada da forma adequada

Muitas pessoas acreditam que carne de porco faz mal à saúde e, por isso, não deve fazer parte da dieta. Mas sabia que as coisas não são tão simples assim? Ao contrário do que parece, a carne de porco pode sim ser considerada benéfica – desde que seja preparada de forma apropriada. Para saber mais sobre o assunto, nós conversamos com a nutricionista Patrícia Bertoni, que esclareceu vários pontos importantes sobre a carne suína. Confira!

Afinal, é indicado incluir carne de porco na dieta?

De acordo com a nutricionista Patrícia Bertoni, a ideia de que carne de porco faz mal é totalmente equivocada, pois o alimento é fonte de vários nutrientes (como as proteínas) que devem fazer parte da alimentação diária. “A carne de porco deve sim ser considerada saudável e incluída na sua dieta. Ela contém mais creatina e aminoácidos essenciais (como leucina, lisina e valina, por exemplo) do que a carne vermelha e outros tipos de carnes. É a principal fonte de vitaminas do complexo B, é rica em selênio e gorduras boas e possui maior quantidade total de ferro em comparação a aves e peixes. Alguns cortes como lombo e filé mignon suíno, inclusive, chegam a ter menos gorduras do que cortes de frango”, explica Patrícia.

Carne de porco deve ser preparada com certos cuidados

Apesar de não ser considerada maléfica para a saúde, a carne de porco requer certos cuidados na hora do preparo – é importante remover o excesso de gordura, por exemplo, e se certificar de que ela tenha sido bem conservada. De acordo com a nutricionista, não tem muito mistério para acertar no preparo.

“É uma carne que requer cuidados devido à presença de alguns microrganismos, da mesma forma que devemos cuidar do preparo de frangos, peixes e carnes vermelhas que também possuem microrganismos específicos. Suínos criados de forma clandestina, em especial, podem apresentar perigo. No entanto, cortes que compramos embalados, com boa procedência, são seguros – pois os animais são criados seguindo os parâmetros de segurança e higiene que garantem a qualidade”, afirma a profissional.

Na hora de cozinhar a carne de porco, a nutricionista destaca a importância de ter atenção com a temperatura – assim, você garante que todos os microrganismos sejam eliminados no preparo e o alimento fique no ponto certo. “Cozinhe em temperaturas superiores a 65°C até que a carne não esteja mais rosada. Depois, espere uns minutos para a carne descansar antes de servir – assim, ela conserva os sucos e fica ainda mais saborosa. A carne de porco é muito versátil, pode ser preparada assada, ensopada, grelhada, em bifes e por aí vai. Ela recebe muito bem molhos e acompanhamentos de legumes, o que contribui para quem quer um cardápio saudável”, complementa Patrícia.

Obs.: Vale destacar, no entanto, a carne de porco não deve ser consumida em excesso, pois pode ter um efeito remoso no organismo (causar alergia ou intoxicação).

Varie nos pratos com carne de porco e, de preferência, utilize vegetais como acompanhamento

Para que você se inspire a incluir carne de porco na dieta, a nutricionista deu algumas sugestões de pratos que são ótimos para servir em almoços de família e em ocasiões especiais: “Existem ótimas receitas com carne de porco: lombo em cubos xadrez , escalope de filé mignon grelhado ao molho de ervas, alcatra suína assada com batatas e vegetais ao molho de laranja, carré a milanesa, dentre outras opções”, finaliza Patrícia.

Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.